El hecho diferencial portugués (4): La independencia de Portugal del Reino de leon

D_AfonsoHenriquesIRemato el tema. El artículo anterior es este: El hecho diferencial portugués (3): La invasión mahometana y la reconquista.

Chapter 12:Final Steps Toward Portuguese Independence

As the barons of Galicia had formed around Alfonso Raimundez, so did the barons of the territory south of the Minho River gather around Theresa’s son, Affonso Henriques, forming a party of revolt against his mother. In 1128 the land to the north of the Douro was in the hands of this group, while Theresa and Peres were in control to the south. In the same year, at the Battle of São Mamede near Guimarães, Theresa and Peres were beaten and expelled from Portugal.

From this time forward, the area was under the control of local persons, exclusively occupied with what has become recognized as Portuguese and conscious of their determination to maintain an independent unit in present North Portugal. Their intentions as to the south were as yet unformed, insofar as we have evidence. Supposedly, the centuries-old habit of fighting Moslems on the south border was not lost to sight. Affonso Henriques successfully fought alternately the Moslems on the south and Alfonso VII on the east and north. In 1139 or 1140[168] he assumed the title of king and proclaimed the official independence of Portugal. Pope Alexander III underwrote this claim in 1179.

Qué curioso. Tuve una polémica aquí con un tal Afonso Henriques, que venía de Gates of Viena (Castilla fue colonizada por los castellanos; Valencia también. Los gallegos son un pueblo portugués, Si son estas las ideas que los portugueses tienen de España…). No sabía, hasta leer esto, que era el héroe de la independencia portuguesa. Imaginaos nuestra situación. En plena Tercera Yijad, un colega portugués de la ContraYijad, se inspira en el héroe de la independencia respecto de España, no en ningún personaje portugués –caso de que lo haya- destacado en la lucha contra el Islam. Penoso. Qué tropa.

It would seem more difficult to explain why Galicia, which had always been an integral part of the northwest culture region, remained separate from the Portuguese state. However, the reasons may not be difficult to find. One of them, obviously, is the fact that the re-establishment of political control of the province of the Minho came from Porto in the south and not from Galicia. León, on the other hand, was resettled out of the north, with Galicians making up part of the group of settlers. For the Portuguese area a new political and economic orientation had been established. Nuclear Portugal (the Minho Province) had a degree of isolation not possessed by Galicia. The only good entryway into the north of Portugal is along the western seacoast. Another entryway, from Verín along the Tâmega River Valley through Chaves and then, over a slight rise, into the valley of the Corgo River and finally into that of the Douro, is of local economic and of limited strategic importance. A third possible entryway is that along the high plain of northeastern Portugal leading into Spain in the neighborhood of the town of Alcañices. This, however, is even more inaccessible than that of Verín-Chaves. On the east there is none until south of the latitude of Salamanca where, after the twelfth century, a connection was made between Ciudad Rodrigo [170] in Spain and the Portuguese city of Guarda, settled in 1197. The Romans had used a route across this middle country, but it ran somewhat to the south of the Ciudad Rodrigo-Guarda road.

Perhaps an even more important reason for the separation of Galicia from nuclear Portugal concerns the establishment of Santiago de Compostela as a great religious and pilgrimage center. The road to Santiago across the north of Spain was a famous and important route, linking Spain with Galicia physically and emotionally. There was no such link between Portugal and Spain. On the contrary, the Portuguese church had been a relatively independent institution. The Bishop and later Metropolitan in Braga had independent rights. If, as was once hoped, the Metropolitan of Braga had become the Iberian Primate, Portuguese history might have been different, but this did not occur and his authority became localized.

There is no single, simple reason for Portuguese independence. Individual judgments, institutional decisions, historical backgrounds, and the position and nature of the land all contributed to the result.

Explica porqué Galicia, a diferencia de Portugal, no se separó de España,

En fin, creo que quedan bien explicados los motivos de la independencia  portuguesa. Independencia que, a pesar de las paranoias de los “nacionalistas’ portugueses, los españoles no tenemos ningún interés en perturbar.

ACTUALIZACIÓN: Me acaba de lelgar esto en un correo pues estaba suscrito a la entrada del blog portugués que dejé de leer por su mala baba antiespañola:

Por tudo isto e por um imperativo de interesse nacional TEMOS QUE CORRER COM O IBERÓCRATES.

Viva Portugal e Olivença Portuguesa.

Morte à Espanha, ou melhor ao Império Colonial Castelhano.

Independência para a Catalunya, Galiza e Euskadi (País Basco)

Viva Portugal, estaremos cá pelos menos 900 anos, à Espanha eu ainda a vou ver desaparecer do mapa e nesse dia deitarei foguetes e todos os Portugueses o devem fazer.

E lembro a estes traidores á pátria que ainda há Portugueses de bem, e que amam o seu país e estão cá para o defender se for preciso tal como fizeram os nosso antepassados.

Viva Portugal sempre.

¿No sabrá este mentecato que los patriotas españoles no saben ni siquiera qué es el iberismo? ¿No sabrá que los separatistas españoles apoyan el  iberismo como estrategia para desactivar España?

Be Sociable, Share!

22 Comments

  1. si algo he aprendido de la historia de la iberica es que poco han cmbiado las cosas realmente, siempre hemos estado a palos entre nosotros, desde las tribus ibericas hasta las autonomias …

    y en este punto portugal entra tambien en el saco, pues al igual que con los nacionalistas a este lado de la frontera se dedican ha inventar e idealizar un supuesto pasado ajeno al resto de los pueblos de hispania

    un pasado que mas que les pese esta mas unido de lo que les gustaria reconocer, cierto es que constantes han sido nuestros conflictos pero yo los veo como las peleas de hermanos, que suelen ser las mas violentas, pero cuando se mete un tercero nos unimos sin dudarlo, como cuando vinieron los musulmanes o los franceses

    yo creo tambien, que españa ha sido y es un pueblo de guerreros, conquistadores, que sufrio un fuerte golpe en la conciencia con la caida del imperio, y cuando nos instauraron a la monarquia estranjera de los mormones … digo borbones, de la misma forma que los austrias tambien fueron una imposicion estranjera … lastima que los comuneros no triunfasen!

    asi pues, poco ha poco nos han ido amansando hasta combertirnos en los borregos dociles que somos ahora, con unos gobernantes pesimos desde carlos 5º de alemania, pues para mi los ultimos reyes realmente buenos que tubimos fueron los reyes catolicos

    supongo que en este punto muchos saltaran pero es mi punto de vista, y por ultimo respecto a portugal señalar que la inquina hacia españa siempre estuvo apollada por inglaterra … cosa curiosa, no?

  2. creo que tampoco tenemos que hacerles mucho caso. No creo que tengan relevancia alguna a nivel europeo o mundial.
    Desde que perdieron Angola y Mozambique estan lamiendose la heridas. Lo ultimo que debemos darles es una importancia que nunca tuvieron.

    Para mi Portugal es como Uzbekistan o Tayikistan, son paises que estan en el mundo pero con los que no tenemos mayor relacion. Me importa lo que suceda en Francia, Alemania, Holanda, Rusia, Serbia, Italia, pero no me importa lo que suceda en Uzbekistan, Tayikistan, Azerbaijan o Portugal.

    No tengo ninguna gana de una union iberica, Isabel de Castilla no quiso unirse a Portugal y se caso con Fernando, hizo bien.

    Para mi, la solucion es muy sencilla, ellos alli, nosotros aqui.

  3. Yo creo que el Portugues este ha visto varias veces seguidas BraveHeart y se le ha ido la pinza….

    No hay que hacerle demasiado caso.
    Queramos o no, los Portugueses y Españoles somos, al menos, primos hermanos.

  4. Hola AMDG y lectores de La Yihad en Eurabia. Un fraternal saludo desde Portugal.

    Enhorabuena por esta web, hacéis un trabajo excelente de información sobre una área temática que muchos y muy poderosos se esfuerzan por dejar oscura, desconocida de las masas. Con el estigma de la intolerancia, del racismo y de la xenofobia, se condena a quien quiere traer la verdad a la luz del conocimiento publico: la de que la Europa como la conocemos, nuestra identidad y edificación cultural, madura de siglos, puede caer podrida en pocos cincuenta años. Que ese estigma, a caer sobre La Yihad en Eurabia, no os aparte de seguir el buen trabajo.

    Cuanto a este texto que presentáis, “el hecho diferencial portugués” me parece harto fundamentado pero de presentación de datos poco objetiva. Es decir que el autor da la idea de que definió previamente una conclusión que intentó justificar después y no al revés.

    No hay nada, y repito: nada que diferencie objetivamente los portugueses y los españoles porque somos todos hispanos. El único hecho diferencial que justifica la emergencia de Portugal como una unidad política separada es la ambición de un hombre que conquistó el apoyo de muchos otros hombres. “Nos liberi sumus, Rex noster liber est, manus nostrae nos liberverunt!” – el grito de Almacave en las cortes de Lamego que pronunció la determinación de un pueblo.

    Cualquier estudio de haplotipos peninsulares demuestra que no existió ninguna evolución genética de señalar por su diferencia en la Península, con excepción de la Vasconia. Así, el supuesto aislamiento proveído por la orografía portuguesa es completamente equívoco. Como equivoca es la “diferencia sueva” de Galícia y Portugal: que vestigios de la presencia sueva permanecen? Palabras? Ninguna. Construcciones y monumentos? Casi ningún. Utensilios y escritos: poco más que casi ningún. La presencia sueva fue de resultado casi nulo, con excepción de haber promovido el cristianismo como confesión “oficial” antes que los godos lo hicieran. Y eso lo es todo.

    Pasa que los fenómenos nacionalistas, cuando no pueden contar con un amplio apoyo de los pueblos, comúnmente lo ocultan inventando razones de raíz histórica, demográfica, lingüística, cultural y religiosa para cavar artificiosas diferencias con que moralmente vencer las peleas que no pueden ganar de otro modo. Esto pasa con los nacionalismos en España y pasa con los ultra nacionalistas portugueses en Portugal (como si fuera necesario, en fin)… pasa con todos los que pretenden, de algún modo, refrendarlos – como parece ser el caso de este autor.

    Portugal es una nación políticamente separada porque lo quiso y lo conquistó su pueblo. No por ser diferente, en cosa ninguna, de la Galicia o del León de sus orígenes. No por no compartir un pasado con España, uno en que la herencia cultural romana-goda, la religión cristiana católica constituyen la propia matriz de su identidad y cultura. Ignorar esto es no saber lo que es serse portugués.

    Quien lucha contra su sangre, acabará sangrado. Esto vale para españoles y para portugueses. Ya es tiempo de mirar hacia nuestros verdaderos enemigos.

    Un abrazo de un lector atento

    • Hola Irmao,

      Lo he leído ahora con más detalle. En efecto, creo que estos hechos diferenciales están magnificados en el artículo. No niego que haya una pizca de verdad, pero en el fondo son muy poca cosa. La diferencia entre un portugués y un español que hayan hecho un bachillerato bien aprovechado es bastante menor que la que hay centre dos españoles o portugueses de diferente extracción social, por así decirlo. O que la diferencia que hay entre dos españoles de dos regiones diferentes, por ejemplo un catalán y un gallego.

      Mi intención ha sido documentarme sobre el hecho tras la discusión que tuvimos, en la que he visto bastante mala disposición hacia los españoles por parte de algunos portugueses. Lo curiosos es que en España esos problemas no suenan ajenos.

      Un abrazo

      amdg

  5. Encantado de leerte Irmão de Cá.

    Con la que se nos viene encima…..lo único que faltaba es distraernos con litigios Portugueses/Españoles.

    Si acaba venciendo el moro no habrá España, ni habrá Portugal ni siquiera habrá Hispania….solo habrá Al-Andalus

  6. Como portugues, estoy enteramente de acuerdo con mi compatriota “irmão de cá”. No podria decirlo mejor. Infortunadamente, tenemos una poblacion poco mejor que analfabeta, que solo sabe la história politica, la história que el pueblo repite de boca a boca y que no se preocupa en saber su verdadera historia. Los Estados igual, no tienen interés en contar la verdad. Como explicar a los portugueses que somos todos Hispanicos? Que no hay justificación para su existencia además que la voluntad de unos pocos poderosos. Por supuesto que el estado tuvo que inventar para hacernos creer que somos muy distintos. Entonces no es raro encontrar portugueses con reacciones idiotas cuando se habla en una Hispania unida, porque nos enseñan que somos los descendentes de los Lusitanos y q nada tenemos que ver con los demás. Son muchos siglos de mentiras! Saludos hermanos!

  7. Quando a espanha passar a respeitar Portugal e deixar de promover o iberismo através de mundiais “ibericos”, institutos de nanotecnologia “ibéricos” por parte do actual governo jacobino do senhor Zapatero, aí os Portugueses respeitarão a Espanha.

    Enquanto isso não acontecer, o ódio dos Portugueses em relação á Espanha continuará a aumentar.

    Contudo se a Espanha prosseguir com esta politica iberista, continuar a comprar os politicos Portugueses, como o senhor Sócrates, o Miguel de Vasconcelos do séc XXI, que não é mais que um cipaio ao serviço do senhor Zapatero, o conde Duque de Olivares do séc XXI, e continuar a tentar destabilizar o pais como fez há um século atrás durante a primeira républica, enquanto esta politica de desrespeito por Portugal continuar, os Portugueses e eu também vão odiar cada vez mais a Espanha, e qualqquer dia começam a dar apoio à ETA.

    Se a Espanha quer ser respeitada em Portugal tem que se deixar destes iberismos, e respeita a nação milenar que é Portugal, a Espanha que tente conservar o seu pais como está, o que não vai ser facil, porque com o precedente do Kososvo a Espanha pode-se tornar uma segunda Jugoslávia.

    Em relação a este pandeleiro traidor que se diz Português e que se intitula de sandro, que vá levar no cú para Espanha, que lá não faltam pandeleiros como ele, e que não venha com a treta de que Portugal é um paais de incultos. Os portugueses são descendentes de lusitanos, porque esta era tribo que habitava esta zona da peninsula antes dos romanos para cá viram e passarem a designar tudo isto como hispânia, mas antes da designação de hispania a de lusitania já existia há muitos anos.

    O grande problema é que o império colonial castelhano, roubouo nome romano de hispânia e quis que os portugueses fossem espanhóis, mas os portugueses nem quiseram ser castelhanos em 1385, em aljubarrota, nem quiseram ser espanhóis visto que sairam da monarquia habsburgo, nem tão pouco agora querem ser ibéricos, os Portugeses são há quase mil anos Portugueses e serão Portuguese nos próximos 1000, os Espanhóis são umns tristes que sofrem de uma crise de identidadee não sabem o que são, primeiro eram castelhanos, depois roubaram o nome “hispânia” ao romanos e passaram adesignar-se de espanhóis de jure apenas depois de 1712, depois da guerra da secessão, e agora como os portugueses não quiseram ser castelhanos, nem espanhóis agora roubaram o nome dado á peninsula pelos Gregos e querem obrigar os Portugueses a ser ibéricos para depois seram castelhanizados.

    Deveis é ser todos tolihos, o império colonial castelhano tem os dias contados, e o vosso cipaio em Portugal, o sócrates, ou melhor o iberócrates como está escrito em cima está por um fio também, os Portugueses são Portugueses há 900 anos e serão portugueses nos próximos 1000, ós espanhóis anida nem sequer chegasteis aos 300 e já andaides a querer mudar de noma outra vez, isso só demontra que o vosso pais não tem futuro, hoje os únicos espanhóis são os qque vivem em Madrid,de resto são bascos, galegos, catalaes, andaluzes, aragoneses, estc, etc, ou seja a Espanha não existe, é um pais fantasma e com morte anunciada.

    O refrendo feiro na catalunha no dia 13 de Dezembro só vem provar isso, 93, 4 % dos catala~es votaram afavor da independencia da catalunh qe eu como Portugues apoio e considero justa, os bascossegundo uma sondagem que passou na euronews dizem o mesmo, cerca de 86% são afavor da independencia, os galegos igual, ainda no pasado mes o manifestaram em compostela numa manifestação com 80 mil pessoas contra um decretoque quer por a lingua castelhana ao memo nível da Galega, onde muitos exibiam faixas a favor da independencia da Galiza, Galegos esses que se sentam mais Portugueses do que Espanhóis, que vem televisão Portuguesa e querem fazer pare da CPLP.

    Por tudo isto é que eu digo que a Espanha é um pais a prazo, sem futuro, e com enterro marcado.

    Viva Portugal e independencia para as nações peninsulares( pelo menos Catalunha, Galiza, Pais Basco) ainda sob o jogo do império colonial castelhano (Espanha).

    Para finalizar, e eu como Português verdadeiro, daqueles que sentam o seu pais, um patriota, digovos que eu acho que Portugal e Espanha como vizinhos que são devem manter relações cordiasi e entenderem-se como tal, respeitando-se um ao outro como países independentes e deiferentes que são.

    Contudo eu, e muita gente em Portugal tem aumentado o seu sentimento de desagrado e de repugnação em relação á Espanha, desde que o senhor Zapatero e o senhor sócrates estão no poder e estão a tentar contruir a “ibéria”, e se quereides “paz” com os Portugueses tendes que correr com esse Leonês também do zapatero do governo de Espanha, é por no governo do vosso pais alguem que respeite Portugal e que não tente destruir o meu pais como esse senhor zapatero esta a tentar fazer.

    Cumprimentos.

    • > Quando a espanha passar a respeitar Portugal e deixar de promover o iberismo através de mundiais “ibericos”, institutos de nanotecnologia “ibéricos” por parte do actual governo jacobino do senhor Zapatero, aí os Portugueses respeitarão a Espanha.

      No sé de qué me hablas, no conozco ningun “mundial iberico”. Pero si me dices que esas actuaciones son una falta de respeto para Portugal, pensaré quie deliras, salvo que me lo expliques. Si quieres que te entendamos bien escribelo en español, por favor.

    • >Para finalizar, e eu como Português verdadeiro, daqueles que sentam o seu pais, um patriota, digovos que eu acho que Portugal e Espanha como vizinhos que são devem manter relações cordiasi e entenderem-se como tal, respeitando-se um ao outro como países independentes e deiferentes que são.

      A despeito dos erros de ortografia, esta é a única frase que se aproveita do chorrilho de ignorância e má educação deste infeliz comentário. Para sua informação, que bem precisa:

      1 – Os mais iberistas de Portugal e Espanha, aqueles que querem destruir Espanha e Portugal para construir uma União das Repúblicas Socialistas Ibéricas (que resultarão em Repúblicas Islâmicas Ibéricas) são precisamente os “independentistas” que apoia: O BNG galego, a ERC catalã, o PNV basco – já nem falo dos batasunos – o PA andaluz e por aí fora. Informe-se de quais eram os planos do republicano Francisco Largo Caballero para Portugal; e já agora veja também quais os da organização independentista leonesa Conceyu Xóven para o distrito português de Bragança… e depois de se INFORMAR, venha falar de iberismo.

      2 – Então os portugueses descendem dos lusitanos… quer dizer que do Douro para cima não são portugueses, uma vez que tal região nunca foi Luistânia… e que os espanhóis da Extremadura são na verdade portugueses, pois essa região fazia parte da Lusitânia! Já agora que palavras lusitanas permanecem no português? que utensílios nos legaram, que edifícios nos deixaram, que cultura permaneceu? NADA! Porquê? Porque como povo que não se submeteu ao domínio romano, foi pelas legiões romanas exterminado em parte e noutra absorvido, após a derrota, pelas tribos celtibéricas romanizadas. Leia a História de Portugal de Alexandre Herculano e aprenderá. Consulte estudos de haplotipos ibéricos e verificará que a estrutura genética dos portugueses em nada difere da dos espanhóis com excepção dos bascos. INFORME-SE antes de vir falar de ascendências lusitanas.

      3 – Uma novidade para si: a Lusitânia (região administrativa romana) era uma província da HISPÂNIA. E da hispânia romano-goda os portugueses herdaram língua, religião, direito, inúmeras tradições e expressões culturais. Isso faz dos portugueses HISPANOS, embora NÃO ESPANHÓIS. O nome deEspanha embora evolua etimológicamente de Hispania não designa a mesma coisa; desde logo porque Espanha sempre compreendeu territórios que nunca pertenceram à Hispânia – Canárias, por exemplo. Mas sobretudo porque se trata de uma entidade histórico política e não geográfica.

      4 – A Espanha foi construída por todos os reinos históricos que a compõem e não só por Castela: desde logo a palavra espanhol é de origem catalã – e não data de 1712 mas do século X. Bascos foram alguns dos seus maiores almirantes como Blas de Lezo; extremenhos e andaluzes muitos dos seus conquistadores da América como Cortez, galegos alguns dos seus governantes como Franco, etc, etc. Se alguns não estão contentes com a Espanha que construíram os seus povos têm bom remédio: construir uma melhor pois a responsabilidade é de todos eles.

      5 – A Espanha começa de jure em 1712??? Ahahahahahaha! Essa só pode ser para rir.

      6 – A dos galegos sentirem-se portugueses é outra piada: indague sobre os seus próprios apelidos e descubrirá, quase certo que são de origem GALEGA! Quase todos os portugueses têm antepassados galegos ou leoneses, porque o povo português é uma criação política resultante da independência. Muito boa criação, sem dúvida! Mas quando muito, o que os galegos podem pretender é que os portugueses sejam galegos e não o contrário – o que também não estaría historicamente correcto.

      7 – INFORME-SE de quem votou no referendum pela independência da Catalunha realizado em Arenys de Munt: como foram escolhidos os votantes e quantos desses eram autóctones. Informe-se também qual percentagem de abstenção apesar disso… e verá que esses 86% não significam absolutamente NADA!

      Conclusão: lá o de insultar o Zapatero e o Sócrates é o de menos. Não merecem grande deferência, de facto. Agora não nos insulte aos outros, espanhóis e portugueses com a sua ignorância e má educação. Até porque acaba apoiando aqueles que supostamente quer combater!

      • Gracias Irmao.

        Yo también estoy de acuerdo con esa política. Intercambio comercial, iniciativas privadas, amistad, colaboración, sí. Pero gobierno conjunto supranacional. NOOOOOOO. Sería un desastre. Si tenemos problemas con la clase política nacional, imagínate una clase política supranacional, como la europea. Sería un desastre.

        • No tienes por qué agradecer. Yo apoyo la construcción de un bloque metapolitico hispano o hispánico a nivel mundial, con raíz en un pacto peninsular, una federación lactu sensu. Es decir que también no estoy de acuerdo con con un gobierno supranacional o con la eliminación de la dualidad política tradicional en la Península – nuestra propia fe católica la consagra, por Fátima y por el Pilar.

          Empero, creo que hay que construir una alianza fuerte, indisoluble, que impida que nos dividamos de nuevo en cuestiones de decisión vital para nuestro futuro. La perennidad de nuestros modos de vida, costumbres, tradiciones, moral y sobretodo fe, que es común a la hispanidad, exige la comunión de esfuerzos en su defensa, contra la agresión disolvente de los promotores de la globalización y de la masificación del mundo.

          Si esta Alianza Peninsular (el sueño de Sardinha y Mella), se puede mantener a largo plazo sin un elemento de garantía personal e de congregación patriótica (de dos patrias, como no?), o por otras palabras – un sólo rey – no lo sé decir… De todo modo, no es una prioridad como no es un objetivo en si mismo.

  8. “Qué curioso. Tuve una polémica aquí con un tal Afonso Henriques, que venía de Gates of Viena (Castilla fue colonizada por los castellanos; Valencia también. Los gallegos son un pueblo portugués, Si son estas las ideas que los portugueses tienen de España…”

    É verdade que D. Afonso Henrques daria uma lição aos mais fanáticos de hoje em dia pela maneira tolerante e respeitadora da liberdade religiosa e cultural com que deixava ficar os Mouros, quando o quisessem, depois das suas terras serem conquistadas, sob determinadas condições do domínio cristão, como após a tomada de Lisboa e muitas outras terras aos Mouros. Também com os Judeus. Aliás um dos principais do seu conselho(financias) teria sido judeu.

    Mas dizer que não é um Heroi máximo da história contra o poder Muçulmano e um modelo nesse plano, quando foi o Rei que mais Reconquistou territórios do Futuro Portugal, do Mondego até Évora(Alentejo), Leiria, Tomar, Santarém, Lisboa, Setubal, Alto Alentejo, Évora etc. (todo o resto do Centro e grande parte do Sul quase ao Algarve – parte seria perdida depois do seu Reinado mas logo reconquistad pela segunda vez)e que tem(D. AFonso Henriques) como Cognome “O Conquistador” é que não entendi – e também é chamado, claro “O Fundador” é enfim, sem comentários.

    Quanto ao Sandro, terá que escrever em português para me provar que é Português. Mostre-me lá a Alma Portuguesa, aquela que você deve conhecer, espero! Porque dizer que foram poderosos só e não o Povo a fazer Portugal é de quem nunca leu a Crónica de D. João I de Fernão Lopes(1400s sobre períodos especificos 1300s-1400s) e o Povo nessa época, ou sobre o comportamento dos Povos de norte a sul na época pós-1640 etc., no tempo de D. Sebastição e a seguir(refiro-me ao Povo), na crise de 1245, na Revolução de 1385 etc. e até antes nos próprios conselhos à volta de D Afonso Henriques.
    Para a incultura leitura.

    Mas por outro lado:
    Quanto aos portugueses que vêm aqui com sentimento anti-espanhol, seja fruto de um medo de invasão ou anexação já gasto, irracional e sem justificação ou seja pelo que for, criando também anti-portuguesismo – e mesmo que não se crie tal nos espanhois – acho simplesmente, per si, lamentável, e de facto peço perdão aos irmãos Ibéricos, aos confrades espanhois.

    Creio que ao passar aquela época de D. Afonso V , D. João II e D. Manuel em que não houve a procurada unidade Hispânica(agora seria Ibérica) por uma série de golpes e acontecimentos do destino – e aqueles Reis Portugueses procuraram muito uma unidade com Portugal “muito” como cabeça e o Rei como Português(talvez para salvaguardar Portugal face a esses enormes Estados como Castela) embora de diferentes formas em Afonso V, João II e D. Manuel, conforme a situação(eventualmente a capitalidade sede da coroa, na altura conceito mais português que dos outros, em Portugal) – o que em si confrontou interesses divergentes na Casa de Castela e Aragão naturalmente – e quando aceitaram, o Príncipe D. Afonso morreu, o Príncipe D. Miguel da Paz, assim como Rainhas Consortes de D. Manuel também infelizmente, entrou-se num período definitivo em que os caminhos que seguiram foram ainda mais distintos.

    Obras como as de João de Barros ou outras Crónicas da época ou ainda Epopeias como Os Lusíadas (tudo ainda no século XVI) utilizando aquelas palavras, temas e sobretudo definições e vocabolário de cariz nacional e imperial para um Povo e uma cultura própria e sofisticada fazem-se sobre Nacionalidades, Impérios e Civilizações Universais únicas – ou como a “Mensagem” de Fernando Pessoa já no século XX, tudo isto no caso de Portugal, como outra literatura ou cultura foram para Espanha ou dedicadas a Espanha, Roma antes, Império Britânico etc.)

    (Isto acima citado nunca podia ser literatura ou tradição para um Reino federado a outro, ou para uma província de Espanha ou para uma Comunidade Autónoma, por muito que lhe definissem nacional ou como a definissem ou lá o que lhe dessem).

    Se bem que andam por aí a possível Federação Europeia, mas isso é desviar do assunto aqui.

    A língua também define, mais no caso Português é verdade que noutros(noutros casos não impediu que se tornassem parte de Espanha aqui na Península, mesmo com línguas de sub-grupos ainda mais diferentes (ou França etc. pela Europa ) mas isso como se sabe, cada caso é um caso diferente.

    E portanto creio que encontramos aí indicadores da Independência definitiva, mas não só.

  9. “No sabía, hasta leer esto, que era el héroe de la independencia portuguesa. Imaginaos nuestra situación. En plena Tercera Yijad, un colega portugués de la ContraYijad, se inspira en el héroe de la independencia respecto de España, no en ningún personaje portugués –caso de que lo haya- destacado en la lucha contra el Islam. Penoso. Qué tropa.”

    Que Espanha tenha grande história e modelos nesse aspecto todos os sabemos, enorme história Espanhola no mundo (Reconquista, Lepanto etc. etc.)

    E Portugal, na reconquista, Praças Norte Africanas Lusas, na Arábia, Oman, Emiratos Arabes, Berhein, Arábia, Ormuz e Keshem na Pérsia, Defesa de Diu e de outras colónias Indianas e Arabicas face a Armadas Otomanas, ataque ao Egipto em 1542, Defesa da Etiópia face aos Otomanos, Arabes e Somalis pelo Mártir Cristóvão da Gama e seus Homens, o projecto de D. Manuel e de Afonso de Albuquerque de conquistar Jerusalém e desviar o Curso do Nilo nas suas Cartas, que não chegou a ser concretizado naquela época, entre muitos outros Heróis.

    Concluindo, mas que injustiça, que melhor e bom modelo Europeu que o “Conquistador” que fez a maior parte da Reconquista Portuguesa aos Mouros até ao Tejo e para lá do Tejo, Lisboa, grande parte do Alentejo a sul, conquistando quase até ao Algarve( que seria completado pelo seu descendente D. Afonso III)

    “A Batalha de Ourique desenrolou-se muito provavelmente nos campos de Ourique, no actual Baixo Alentejo (sul de Portugal) em 1139 – significativamente, de acordo com a tradição, no dia de Santiago, que a lenda popular tinha tornado patrono da luta contra os mouros; um dos nomes populares do santo, era precisamente “Matamouros”.

    Foi travada numa das incursões que os cristãos faziam em terra de mouros para apreenderem gado, escravos e outros despojos. Nela se defrontaram as tropas cristãs, comandadas por D. Afonso Henriques, e as muçulmanas, em número bastante maior.

    Inesperadamente, um exército mouro saiu-lhes ao encontro e, apesar da inferioridade numérica, os cristãos venceram. A vitória cristã foi tamanha que D. Afonso Henriques resolveu autoproclamar-se Rei de Portugal (ou foi aclamado pelas suas tropas ainda no campo de batalha), tendo a sua chancelaria começado a usar a intitulação Rex Portugallensis (Rei dos Portucalenses ou Rei dos Portugueses) a partir 1140 – tornando rei de facto, embora a confirmação do título de jure pela Santa Sé date apenas de Maio de 1179.

    A ideia de milagre ligado a esta batalha surge pela primeira vez no século XIV muito depois da batalha.” (Não surge, parace escrita, pois já era tradicional concerteza) ” Ourique serve, a partir daí, de argumento político para justificar a independência do Reino de Portugal: a intervenção pessoal de Deus era a prova da existência de um Portugal independente por vontade divina e, portanto, eterna.

    A lenda(E Tradição) narra que, naquele dia, consagrado a Santiago, o soberano português teve uma visão de Jesus Cristo e dos anjos, garantindo-lhe a vitória em combate.” (E aconsagração do Reino e de um futuro Império Cristão que JESUS CRISTO promete em terras remotas no Juramento de Ourique que é testemunho do Rei Fundador.

    Que melhor modelo na Europa que O Rei e Reino Consagrado a DEUS em Ourique em 25 de Julho de 1139 e à TEOFANIA de JESUS CRISTO e do DIVINO ESPÍRITO SANTO na antiga tradição, que passou de Geração em Geração antes da Batalha Fundadora de Portugal frente ao exército dos 5 Reis Mouros ou Governadores(pensa-se que a Crónica Goda se referirá aos de Silves, de taifas no Algarve, Niebla, Sevilha etc.) entre outros, muito mais numeroso que a hoste Portuguesa e representando o Império Almorávida já em queda.

    Aparte os despropositados comportamentos de alguns portugueses aqui com o caro, até o caro anfitrião deste blog concordará que é uma figura modelo para a Europa Cristã.

  10. O Alentejo era Celtici, Cónio, Turdulo etc. na maíoria. E a Extremadura espanhola era Vetona na maioria (Vetonia) daí o nome inicial Lusitania e Vetonia para a província romana. Emerita Augusta foi criação Romana aí(talvez mais naquilo que era a Vetonia ou perto do seu limite), assim como o actual Leon(e parte de Castela Velha) era constituido maíoritariamente por Vacceos, Populi que seríam parecidos aos Lusitanos e BracariGalaicos, estes ultimos no ocidente.

    A Lusitânia Roma era um província a que chamaría-mos hoje de “multi-nacional” para lhe aplicar um termo contemporâneo e tinha quase 4 vezes o tamanho da Lusitânia original, abragendo a Vetónia , parte dos grandes Vacceos mais em em Leon, Extremadura; e Cónios, Turdulos etc no litoral português e no sul do Tejo.

    A LUSITÂNIA ORIGINAL PRÉ-ROMANA(da fase final) era fundamentalmente Beira Alta e Beira Baixa(e um pouco do Alto Alentejo, incluindo a região de Alcântara e Albuquerque do lado espanhol) assim o provam a lista de Tribos na Ponte e os três(até agora) inscrições encontradas na sua língua(duas em Portugal claro) e a outra na fronteira hispano-portuguesa do lado espanhol, curiosamente na parte geográfica daquele triângulo Espanhol extremenho que “entra” dentro daquilo a que chamamos o rectângulo Português(ver mapa), portanto todas a ocidente e na zona Centro, fundamentalmente de Portugal, a que corresponde os dados dificeis dessa Lusitânia antiga.

    Obviamente que Herculano tem o mérito de ser o primeiro historiador “moderno”, daí a sua influencia e talento. Mas há coisas dele que investigação revê e discorda – com mais dados e verdade atualmente. Eu não concordo com a visão de Herculano sobre Ourique. Acredito na Tradição Milagrosa da Teofania e Cristofania de Ourique, sendo matéria supra-histórica e da Fé, claro.

    Portugal, tal como Espanha, cada um há sua escala diversa, descende desses diversos povos, e outros e não são detentores e propriatários de uns ou de outros. No entanto, nem tanto ao mar nem tanto à terra. Cuidado com os revisionismos exagerados. Caro que se descende deles numa determinada escala, talvez maior do que se pense, sobretudo no Centro, pensando no caso português – mas não só. E não confundiir nunca a Lusitânia Pré-Romana com a “Luzitânia Romana”.

  11. “Esta é a ditosa Pátria minha amada” (Portugal) – “Os Lusíadas” – século XVI.

    Portugal e Espanha – duas pátrias ibéricas. Uma nação(Portugal) “nação forte”-(Lusíadas para Portugal(“Lusitânia” como o Poeta lhe chamava também – era tradição então – há que compreender com mente aberta)- os adjectivos já se utilizavam então para Portugal e não só – e outra nação ao lado, Espanha(ou nação de nações) se assim considerarmos hoje.
    Espanha e Portugal.

  12. As origens da Espanha estao no reinos medievais de Galiza e Pamplona
    (mais tarde Navarra).O reino de Castela nasce dos dois anteriores(o gale-
    go e o vasco),no entanto o de Portugal procede do condado galego de Por-
    tocale,afastado da Galiza do norte a principios do século XII por Afonso
    Henriques.Os galegos nao temos uma origem portuguesa,mas sao os por
    tugueses quem tem uma origem galega,goste-lhes ou nao aceitalo.

  13. Hola a todos desde el País Valencià – una nación mas de esta ´´piel de toro “ que es la peninsula Iberica , la antigua Hispania romana y visigoda, y no parte de los mal llamados ´´ Països Catalans“, que nunca existieron ,- si la Corona de Aragón.

    Creo que las naciones ´´Celtibericas“ que formamos la peninsula, si desapareciera el ´´Nacionalismo- Castellano- español“ y su proyecto de asimilación Castellana de todas las naciones que formamos la peninsula, creo, que podriamos constituir una alianza confederal de todas las naciones peninsulares, como una Confederación Hispanica- o Iberica, que nos daría a todos mas fuerza en la Unión Europea.
    Pero, como he dicho , para eso, es necesario que el ´´nacionalismo Castellano-Español“ desaparezca.

    Yo no me siento ´´ español“,- pero si Hispanico- por que ser ´´español“, significa renunciar a mi lengua y cultura Catalano-Valenciana, como se nos hizo con la imposición del Decreto de Nueva Planta, de Felipe V de Borbón, – tras la victoria de las tropas Castellano-francesas en la Batalla de Almansa- de la lengua castellana en todos los reinos que formaron la Corona de Aragón, la supresión de nuestros fueros, la quema de las ciudades valencianas de Xàtiva y Vila- Real por las tropas Castellanas del rey Felipe V.
    Los reinos de Aragón , València, el Principado de Catalunya, Baleares, fueron regidos por el Concejo de Castilla y por las leyes castellanas.
    Fuè una conquista y anexión a Castilla, mas la siguiente fuerte represión que sufrimos , con la persecución y prohibición de nuestra lengua Catalano-Valenciana.
    Desde aquel decreto de anexión a Castilla la prohibición y persecución de nuestra lengua, se prolongó hasta las dictaduras del general Primo de Ribera- que anuló la Mancomunitat de Catalunya y cerró todos los periodicos editados en Catalan , y después de la caida de la dictadura de este militar nacionalista español , vino la segunda republica española, que hizo que Catalunya y Euzkadi lograran obtener una autonomia limitada.Los Valencianos estuvimos apunto de iniciar el proceso legislativo autonomico , pero la guerra civil lo impidió.
    Todos sabemos como acabó la republica y las consecuencias que supusieron para las naciones no castellanas, como Euzkadi, Galiza , Catalunya y el País Valencià :
    La anulación de las autonomias Vasca, Gallega y Catalana , persecución y prohibición del uso en los medios de comunicación , escuela, universidades de todas las lenguas no castellanas.
    Esos cuarenta años de dictadura nacional-catolicas y fascista del nacionalismo Castellano-español que el regimen franquista nos impuso como única identidad ´´nacional“, hizo mucho daño a las lenguas Basca , Catalano-Valenciana, y Galaico- Portuguesa, y supuso la Castellanización del País Valencià , y de las otras naciones no castellanas.
    Como quieren los ´´Nacionalistas españoles“, que Galegos , Vasco-navarros, Catalanes, Valencianos y Balearicos se sientan ´´españoles“ después de todos los intentos que el ´´nacionalismo Castellano-español“ ha llevado acabo de asimilación de todas las naciones sin estado que forman el ´´ Estado español“, con la lengua de Castilla y del estado centralísta que hemos tenido que aguantar desde que Felipe V de Borbón anuló la autonomia politica que tenían los estados de la Corona de Aragón ?
    De nuestro país hermano Portugal, que fuè una creación de Galiza- en concreto del conde Galego Vimara Peres,que conquistó y repobló con repobladores gallegos las tierras del norte del actual Portugal y fundó el Condado de Portucale, y que fuè parte del Reino de Galiza, como lo demuestra la etapa del rey Ordoño II, que hizo de la ciudad hoy portuguesa de Viseu la sede de la capital de su Reino de Galiza.
    Si Castilla huviera renunciado a la posesión de Portugal, y no huviera hecho tantas guerras de conquista contra el país de origen Galego, y los reyes de la casa de los Austrias como Felipe IV , no huvieran dejado hacer al Conde duque , de Olivares todas las políticas castellanizadoras y las subidas abusívas de los impuestos en Portugal, los virrelles y corregidores castellanos que governavan Portugal. Todo eso provocó la insurrección de todo el pueblo portugués y el estallído de la guerra de la restauración de la independencia portuguesa.
    Si se huviera respetado la soberanía portuguesa , sin que los virreyes y corregidores fueran castellanos y no se huvieran implantados los avusivos impuestos del Conde Duque de Olivares, posiblemente, Portugal y el resto de las naciones de la monarquis Hispanica huvieran permanecidos unidas bajo una confederación , pero el ´´nacionalismo Castellano-español“ fuè el que lo impidió.

    Creo- apesar de todo el mal que nos ha hecho el ´´Nacionalismo Castellano-español“, que serìa muy positivo que las naciones Ibericas se asociaran bajo una forma política confederal, que asegurara que ninguna de ellas impondría su dominio a ninguna de las otras.
    La España neo centralista de las autonomias no nos es suficiente para las aspiraciones de mas autogovierno y soberanía fiscal, para las naciones Galega, Eukalerria, Catalana, Valenciana.
    Solo con una confederación Iberica, estaremos de igual a igual todas las naciones hermanas de lo que fuè la Hispania Romana y Visigoda.
    CONFEDERACIÓN HISPANICA.

  14. A esse João, não o vou insultar e baixar ao nível dele porque ele próprio já demonstrou o seu nível de educação e confirma exactamente o que eu afirmo. Uma vítima da história “oficial”, de que todos somos descendentes dos Lusitanos e consequentemente diferentes dos demais espanhóis. Enquanto não se elucidar o povo das suas origens, vamos ter sempre esta reacção, que foi incutida na mente das pessoas, contra os “diabólicos espanhóis”.
    Não necessito escrever nada para esclarecer este pobre conterrâneo, que nos brindou com a sua ignorância, porque o Irmão de Cá já o fez. No fundo tenho pena dele (João), porque não deixa de ser uma vítima da educação portuguesa, que até aos anos 80, poucos, tinham mais do que 4 anos de escolaridade e levavam com toda aquela história romanceada de Portugal, patrocinada por Salazar.

    Saudações cordiais!

Dejar una contestacion

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.


*